30/01/2017

[Filme] Revólver (2005): A Matrix de Nossas Mentes



O filme é bom mesmo e a estória vai muito além das expectativas iniciais. 

O enredo nos mostra a matrix final: nossa própria mente e que muitas de nossas próprias decisões vem de uma parte de nós acerca da qual tempos pouco controle ou que simplesmente nos domina sem que percebamos.


A grande virtude de “Revólver” e mostrar como isso faz parte da própria estrutura do processo de individuação que conteria dois lados de uma mesma moeda: de um lado um ego aparentemente poderoso, megalomaníaco e racional (representado no filme pela presença constante do jogo de xadrez); e do outro o seu lado escuro, o medo do fracasso, de não ter a aprovação do Outro (Deus, Sociedade, Estado etc.).


Além disso, o filme tem um conteúdo rico de provérbios. Selecionei sete dos principais:

  •  “O inimigo se esconderá no último lugar em que você o procuraria”. (Júlio César 75 a.C.).
  • “Primeiro, é muito difícil para a mente aceitar que há algo além dela mesma. Algo mais valioso e mais capaz de discernir a verdade em si”. (Filme). 
  • “A única maneira de se ficar mais esperto é jogando contra alguém mais esperto”. (Fundamentos do Xadrez, 1883).
  • “Primeira regra dos negócios: proteja seu investimento”. (Etiqueta do banqueiro, 1775).
  • “Em cada jogo ou golpe, tem sempre um oponente, tem sempre uma vítima, o truque é saber se a vítima vai ser você, assim, você se torna o oponente”. (Filme).
  • “Ele disfarça os pensamentos dele com os seus pensamentos e os sentimentos dele com os seus sentimentos. Você acha que é você” (Filme).
  • “Há algo sobre você mesmo que você não sabe. Algo que você nega existir. Até ser tarde demais para fazer alguma coisa a respeito. É o único motivo pelo qual você levanta toda manhã. O único motivo pela qual você aguenta o chefe intragável, o sangue, o suor e as lágrimas. É porque você quer que as pessoas saibam o quanto você é bom, atraente, generoso, engraçado, maluco e inteligente. Tenha medo de mim ou me reverencie. Mas por favor, me considere especial. Compartilhamos um vício: a necessidade de aprovação. Todos nós queremos um tapinha nas costas e o relógio de ouro, o grito da torcida. Olha só o garoto inteligente com o brasão polindo o troféu. Continue brilhando diamante maluco! Afinal somos macacos de terno, implorando pela aprovação dos outros. Se soubéssemos disso, não faríamos isso tudo. Alguém está escondendo isto da gente e, se tivéssemos uma segunda chance, você perguntaria: por quê?”. (Filme).



Enfim, recomendo.

Grande abraço!


11 comentários:

  1. WOW é incrível como este tema rende! Muito interessante, eu fico na dúvida as vezes sobre o coinceito de realidade desde o filme Matrix kkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ulisses,

      eu também cara! :)

      abç!

      Excluir
    2. Eu, desde que li Platão, Kant e demais filósofos (dos Clássicos aos Contemporâneos) nunca mais "voltei ao normal". Após sair da caverna, questionar à realidade se torna habitual e necessário.

      Excluir
    3. Lorde,

      Quando se escolhe o caminho da sabedoria, não dá pra ser normal.

      abç!

      Excluir
  2. Cara, vi há bastante tempo. Gostei bastante!!!

    ResponderExcluir
  3. Já coloquei na lista da Netflix! Assim que tive tempo assistirei, obrigado pela indicação!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. O sistema tenta sempre configurar a população como gado, quem pensa diferente passa pelo desafio de provar estar certo.

    ResponderExcluir
  5. Ah, ia me esquecendo, já que você demonstra interesse no tema, dá uma olhada nesse vídeo, esse autor é uma boa opção:

    https://www.youtube.com/watch?v=xpDlAWvAWoA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente vídeo. Mais um livro na lista de leitura.

      Abc!

      Excluir
  6. Não sabia que esse filme era assim, me recomendaram ele há muitos anos atrás, mas resolvi assistir outro que achei similar ( e no fundo, acabei não gostando) que foi o "Xeque-Mate".

    ResponderExcluir

Seu comentário é o nosso pagamento.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...