12/03/2017

[Filme] O Conde de Monte Cristo (2002)

Edmond e seu mestre: A única maneira de
se ficar mais esperto é jogando contra alguém mais esperto.


Esse filme é essencial. Conta a estória de um idiota alegre (Edmond Dantès) que por ser analfabeto acaba sendo enganado por um falso amigo invejoso e vai para a cadeia, enquanto esse "amigo" traça sua mulher durante longos anos.


Mas ele, além de idiota, era também sortudo e na prisão conhece um velho preso que o ensina: matemática, línguas, etiqueta e até artes marciais 



Sua sorte é tão grande que o colega de prisão ainda resolve sua vida financeira e o transforma em um intelectual rico dando-lhe a benção da independência financeira por meio de ativos lastreados em ouro.



Apesar de ter se dado bem, Edmond decide não aproveitar a vida e resolve se vingar.

Brincadeiras à parte, o filme mostra como é importante termos algum tipo de mentor para nosso desenvolvimento.

Normalmente nossos pais são nossos primeiros mentores e depois temos professores e instrutores. De toda sorte, nunca teríamos conseguido nos desenvolver sem a participação de todos eles.


Conforme explica Lauriberto Pompeu:

"Com Jim Caviezel, no papel de Edmond, Guy Pearce no papel de Fernand Mondego e Richard Harris no papel de abade faria, o filme se torna uma adaptação média do grande clássico de Alexandre Dumas, pois muitos acontecimentos são totalmente diferentes do filme em relação ao livro e muitas partes importantes e personagens foram deixados de lado. 
Apesar disso é um bom filme, considerando que conseguiu resumir bem em duas horas um livro com quase duas mil páginas."

Selecionei sete frases de Alexandre Dumas que podem nos ajudar a pensar no dia-a-dia:



  • Nos negócios não existem amigos, apenas clientes.
  • Por vezes é penoso cumprir o dever, mas nunca é tão penoso como não cumpri-lo.
  • Como é que, sendo as crianças tão inteligentes, a maior parte dos homens é tão estúpida? Deve ser fruto da educação.

  • Podemos curar qualquer mal com dois remédios: o tempo e o silêncio.
  • Ora, o homem somente será perfeito quando for capaz de criar e destruir como Deus; destruir ele já sabe, é meio caminho andado.
  • Os seres queridos que perdemos não repousam debaixo da terra, mas o levamos no coração.
  • Prefiro os canalhas aos imbecis. Os canalhas, pelo menos, descansam de vez em quando.

Enfim, recomendo.

Grande abraço!

6 comentários:

  1. Vi este filme há anos e anos em VHS. A independência financeira veio em baús de ouro escondidos. Mas o conhecimento foi realmente o presente maior. Sem este, ele não teria como planejar seu retorno e vingança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. K,

      Mais um exemplo na cultura pop onde mentais preciosos salvaram o dia.

      abç!

      Excluir
    2. Bem lembrado. Daria uma postagem.

      Excluir
  2. Vi esse filme anos atrás, recomendado por um grande amigo, que também tinha me indicado a REAL, e esse era junto com os do Rocky, Poderoso Chefão um dos filmes obrigatórios para qualquer realista. Havia ate um blog que li muito, chamado "Nobres Homens", por um cara altamente inspirado por ele. Mas confesso, que quando vi o filme, esperava algo bem mais denso e memorável. Gostei mais do gibi do "V de Vingança", que claramente tem o livro (que e nem imaginava ter tantas páginas). Em tempo, tem uma ótima menção ao Alexandre Dumas no filme do Django Livre, uma das minhas cenas preferidas, devo dizer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ozy,

      O filme é simples, mas gosto dele como um exemplo de que podemos evoluir por meio do conhecimento e do auto-conhecimento.

      V de vingança é fenomenal!

      Ótimo link! “Alexandre Dumas is black.”

      Abç!

      Excluir
  3. Poxa Scant, tava me empolgando na narrativa do filme e você parou rsrsr brincadeira, narrou tão bem que fiquei curioso em ver !!

    ResponderExcluir

Seu comentário é o nosso pagamento.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...